Curto

28 03 2011

Não sei nem como introduzir o assunto, pois é algo que de certa forma sinto vergonha. Afinal, ninguém gosta de falar das coisas erradas que fez, nem dos momentos que quer esquecer. Mas aqui falarei um pouco sobre o que já passei, que não é muito com a minha pequena caminhada na highway da vida, para que alguém possa aprender com meus erros, e não botar sua vida de uma maneira tão desagradável, como certas vezes acontece comigo.

Primeira e única  lição: nunca perca a calma. Pode brigar e xingar, pois isso é inevitável, mas não se esqueça de sempre lembrar das pessoas que ama. Palavras, mesmo que sem intenção são capazes de aniquilarem corações, almas e vidas. Seja ela individual ou não. Acredite em minhas palavras. Não deixe o gelo do copo derreter, pois caso isso ocorra, irá derramar, e quando derrama , o trabalho para limpar tudo não é fácil.  E o pior, há o risco de não conseguir limpar.

Lucas Saldanha

Anúncios




Frase do dia

28 03 2011

Um amor não se esquece em um minuto, nem em um dia, talvez nunca se esqueça.





Voltarei?

17 03 2011

Fazendo um rápido post nesta quinta-feira, dia 17 de março, dia em que começam minhas aulas na Universidade Federal de Santa Maria, no curso de Psicologia. Decidi postar por duas razões: 1)Para o blog não sair do ar; 2)Por saudade. Atualmente estou postando num blog de imagens humorísticas, o Que Tenso! e aqui está o link: http://quetenso.wordpress.com/

Saudade da inspiração que eu tinha para escrever… E sinto que ela está voltando. Nunca mais postei um texto, e toda vez que tentava acabava “travando” e nada saía da minha mente… Mas esse blog contém, por incrível que pareça, alguns textos realmente bons, então achei que seria inútil o trabalho aqui feito simplesmente desaparecer. Os textos daqui me inspiraram um pouco a voltar a escrever, e como o Que Tenso! está sendo usado mais para imagens do que pra outra coisa, acho que vou postar meus pensamentos aqui. Nada certo, mas vamos ver no que vai dar.

Bruno Flores





Parabéns para quem?

29 09 2010

Aniversário. Afinal, o que é o aniversário? Por que todos os presentes? Por que todas parabenizações? Por que a festa, a pizza, o churrasco e bebida? Merece-se no máximo os parabéns por estar vivo até tal momento, pois nascer não é escolha para ninguém. Você estava em um lugar tranquilo e sem problemas, apenas comendo, dormindo e talvez brincando de dar socos e ponta pés naquelas estranhas paredes que tinha a volta.

Eis que então você se vê sendo puxado pelas mãos de um estranho, e saindo daquele lugar maravilhoso e protegido, aparece em um lugar estranho, frio, claro de mais. Além de tudo isso cortam sua fonte de alimento. As grosseiras na sua vida começam por aí. Aí enrolam-no em um pano e colocam na parte superior do lugar onde antes você estava dentro. É como estar pelado em um quarto com ar condicionado e sair para o vento frio no terraço de casa apenas coberto por um lençol.

Ninguém falou que seria fácil. E daí pra frente a coisa só piora. Tem que começar a andar sozinho, comer sozinho e até mesmo ir ao banheiro sozinho [o que é uma tarefa nada fácil até pegar o jeito, aliás, conheço algumas pessoas que não pegaram o jeito até hoje. Escola, trabalho, aniversário da tia gorda da namorada e outras atividades mais são o que realmente fazem uma pessoa merecer os parabéns após ter passado por elas, porque essas sim envolvem empenho, tempo, dinheiro e paciência. Principalmente paciência.

Quem deveria ser parabenizado por aniversários são os pais, que há x anos criam seus filhos e aguentam esses pedindo dinheiro todo final de semana para irem para algum lugar que os mesmos pais não sabem onde é, e que por mais que saibam, sabem que os filhos nunca vão para esses lugares, justamente porque os pais sabem onde é.

Fazem isso há anos. Há realmente muitos anos. Fico me perguntando quem foi o primeiro a fazer isso. Será que foi em uma caverna, quando nasceu um primatinha e todos os peludos locais ficaram felizes que teriam mais companhia naquele período escasso de gente? Se for assim, deve-se ficar triste a cada nascimento, visto que o planeta está cada vez mais cheio.

As pessoas (e especialmente os brasileiros) são pragas que não podem ver algo novo que já resolvem enfiar seus narizes para deixarem as coisas do seu jeito. Foi assim desde o começo, tirando as áreas dos outros animais e botando suas cabanas de palha de pé, e é assim até hoje, quando continuamos esse processo só trocando as cabanas de palha por fábricas e indústrias de cosméticos.

Mas o parabéns… Ele não faz muito sentido, mesmo. Acredito que inventaram isso só pra não dar o presente sem falar nada, oque seria muito grosso da parte de quem entrega. Falar um simples “Toma” e ir direto para os salgadinhos não torna o dia do aniversariante especial, por mais realmente não seja um dia especial.

No final, fazer aniversário é simplesmente lembrar que uma hora o Dona Morte vem. Tarda, mas não falha. E fazer festa para lembrar que um dia se morre e que lá não tem festas tão boas quanto aqui é um bom motivo para fazer uma boa festa por aqui mesmo. Com coisas bastantes estranhas como velas para serem assopradas e strippers saindo de dentro de bolos, as festas de aniversário são e sempre serão uma surpresa tanto para o homenageado, quanto para seus participantes, que verão coisas que nem em seus sonhos esperavam ver das pessoas que estão lá e muitas vezes de pessoas que nunca viram na vida e provavelmente nunca mais verão que só deram uma passadinha ali de furo para comer alguma coisa.

Lucas da Rosa





Frase do dia

29 09 2010

“Uma laranja podre estraga todo o cacho.” (J. Batista)





Confiança e um livro na multidão

11 09 2010

Confiança definitivamente não é algo tão simples quanto eu pensava ser. Aliás, é uma das coisas mais complexas que eu já vi. Ela envolve amor e medo ao mesmo tempo. O amor está no ato de deixar que o outro tenha sua liberdade, e ao mesmo tempo o medo de que tudo seja jogado ao vento. Me castigo com a minha mente pensando em todas possibilidades possíveis.

Sempre tive o hábito de ser uma espécie de observador, vendo as interações das pessoas como um mero espectador. Confesso que o ponto de vista exterior é sempre mais favorável, uma vez que pode-se observar os lados em questão com mais clareza. Essa posição se torna completamente obsoleta quando somos nós que estamos envolvidos no caso em questão.

Vendo tantos casos diferentes, mas sempre com suas semelhanças, achava que isso me ajudaria quando fosse comigo. Não posso dizer que tais observações não ajudaram, pois alguma coisa se absorve como experiência, mas no geral, acredito que eu aja como aqueles que analisava, e no fim me tornei apenas mais um caso daqueles que eu observava com tanta vontade de analisar. O problema é que eu não consigo ter aquela posição onisciente do meu caso, é difícil saber o outro lado, e mesmo que saiba, é difícil deixar que os pensamentos não interfiram e o pior seja imaginado.

O estranho é que de certa forma, eu sempre imaginei a vida como sendo um grande livro, que é lido no final de tudo. E como leitor, eu não gostaria de ler um livro chato, sem graça, sem emoção, sem um diferencial. Eu sempre gostei de livros com um diferencial, e acho que isso é algo que deve estar presente na nossa existência, para que possamos chegar ao final de tudo sabendo que não tivemos uma vivência sem algo especial. Sempre li obas não tão convencionais como O Guia do Mochileiro das Galáxias, que te faz viajar pelo universo de uma maneira nunca vista e isso, acreditando, ou não, faz-te ver o mundo de uma maneira diferente.

Ver o mundo de uma maneira diferente. Essa parte até que não é difícil. O difícil é tratar o mundo de uma maneia diferente. Não ser convencional é o que considero o atrativo. Mas o não convencional fora das convencionalidades, que muitas pessoas insistem em não ver. É muito fácil ser diferente nas ações iguais. O interessante é ser único nas ações diferentes. E isso envolve desde os pensamentos mais complexos, até os mais simples, que usamos todos os dias.

Quando falo de pensamentos simples, trato dos princípios mais básicos das relações humanas, como a confiança, tratada no início deste artigo. E aí se encontra o desafio. Tratar essa de uma maneira como as pessoas não tratam. Elas dizem tratar, mas não saem das palavras. No final a maioria faz a mesma coisa, que é ignorar tudo e vivem na desconfiança. Elas optam pela opção mais fácil, pois confiar, como eu já disse (e se não disse, digo agora), confiança é algo muito complexo.

Não posso me precipitar. Sempre fui contra isso, e não posso me contrariar. O tempo fará as ações, os pensamentos e as palavras se ajeitarem. Mas não que esse jeito que ele dê seja da maneira mais fácil. Não queria ser assim, mas até atingir a real confiança, viverei na minha desconfiança, como a maioria das pessoas. Buscando a inconvencionalidade, me torno apenas mais um na multidão, afinal, ou se é diferente, ou se é mais um.

Lucas da Rosa





Frase do dia

11 09 2010

“Num filme o que importa não é a realidade, mas o que dela possa extrair a imaginação.” (Charles Chaplin)